fbpx

Por que fazer cirurgia de remoção de pintas?

remoção de pintas

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

A cirurgia de remoção de pintas e verrugas vai muito além da estética, mas é um procedimento muito importante que pode identificar o câncer de pele.

Saiba como o cirurgião plástico é primordial nestes casos.

Cirurgião plástico sabe a diferença entre uma pinta normal e uma pinta “doente”

cirurgia de remoção de pintas

Você notou que uma pintinha que fez parte da sua vida inteira de repente começou a crescer de forma desacelerada e, por isso, optou por agendar uma consulta com um cirurgião plástico para remover essa pinta o mais rápido possível para que ela não atrapalhe a sua autoestima.

Essa é a história da maioria dos pacientes que chegam até a sala de um cirurgião plástico na hora da remoção de uma pinta.

Mas poucos sabem que esse crescimento anormal da pinta pode ser o indício de um câncer de pele e o olho apurado de um cirurgião plástico poderá ajudar a identificar o problema. “As mutações genéticas se desenvolvem devido a um erro no reparo do DNA da pele, isso gera a multiplicação das células de forma acelerada, fazendo com que do dia para a noite a sua pinta fique maior, originando o tumor maligno”, explica o Dr. Paulo Militão.

Pintas que crescem de forma anormal são chamadas de melanomas

Primeiro de tudo, vamos te explicar o que é uma pinta.

As pintas surgem quando os melanócitos se concentram em uma parte específica da nossa pele. Como eles são os responsáveis pela produção da melanina em nosso corpo, essa concentração faz com que essa região fique mais escura e é aí que nasce uma pinta. Por esse motivo que as pintas são amarronzadas ou pretas.

Apesar de serem consideradas pequenos tumores formados por melanócitos, elas são do tipo benignos, aqueles que não trazem nenhum malefício à saúde e surgem tanto na infância como também na fase adulta, mas quando se multiplicam fora do controle, podem se tornar melanomas.

O melanoma surge em forma de pinta ou ainda se origina daquelas já existentes no corpo, porém carregam características diferentes da pinta comum como bordas assimétricas, cores mais rosadas, avermelhadas ou esbranquiçadas e, de modo geral, possuem tamanho maior que 6 mm.

Como saber se minhas pintas são comuns ou melanomas?

remoção de pintas 02

Quanto mais cedo o paciente identificar uma alteração em suas pintas e procurar um médico especialista, mais fácil é a retirada e a prevenção de um possível câncer de pele.

Saiba quando a sua pinta merece uma atenção especial:

– Pintas assimétricas;

– Bordas irregulares ou com linhas tortas;

– Duas ou mais tonalidades de cor em uma só pinta;

– Diâmetro maior que 6 mm;

– Crescimento acelerado de pintas no corpo;

– Crescimento da pinta de forma anormal;

– Ardência, queimação ou coceira na pinta.

Além disso, deve-se levar em consideração de que é normal uma pessoa ter em média 40 pintas pelo corpo, pacientes que possuem mais de 100 pintas têm maior chance de desenvolvimento de melanoma.

Outro ponto para se destacar é que as pintas que já nascem conosco possuem mais chance de se tornarem um melanoma do que as que surgem mais tarde.

Como é a cirurgia para retirada de pintas malignas?

Após se detectar que a pinta é um melanoma ou poderá se tornar um no futuro, o cirurgião plástico irá fazer a retirada da pinta para que a mesma passe por uma biópsia e se tenha um diagnóstico mais exato.

“A cirurgia de remoção de pintas é indicada depois de uma análise minuciosa no local para que possamos enviar o material coletado para a biópsia e assim avaliar a possibilidade de existência de células cancerígenas”, completa o Dr. Paulo Militão.

Em casos onde a pinta é pequena e de fácil acesso, a anestesia é local e se faz um pequeno corte com margem de 1 cm que para a retirada da pinta. São feitos pequenos pontos para a cicatrização da pele.

Quando se trata de uma pinta maior e com mais profundidade, é necessário um processo cirúrgico mais invasivo para a retirada do melanoma. Em ambas as cirurgias são necessárias o internamento em um ambiente hospitalar para a excisão da lesão.

Existem métodos menos invasivos para a remoção de pintas, como a criocirurgia, porém neste caso a taxa de cura pode ser menor que a tradicional excisão.

Cuidados pós-remoção de pinta

Após a remoção da pinta, é importante seguir as dicas do médico cirurgião para uma boa cicatrização do local.

“Temos que levar em consideração que a retirada da pinta deixa uma ferida aberta na pele, por isso deve-se limpar bem o local para evitar infecções e após a retirada dos pontos, o uso de pomadas cicatrizantes é imprescindível para acelerar o processo de cicatrização dos tecidos”, explica Dr. Paulo Militão.

Se você possui uma ou mais pintas suspeitas em seu corpo, aproveite para agendar seu horário com o Dr. Paulo Militão, lembre-se que o quanto antes um melanoma for identificado, mais fácil é a prevenção do câncer de pele.

Agende seu horário pelo telefone Telefone (45) 3035-6527 ou pelo WhatsApp (45) 9 8408-6553. Atendemos pelos planos Unimed e PAM Saúde.

Cuide de você!

O que você achou dessa publicação?

Você também pode gostar

O que você está procurando?

Siga nossas redes sociais